CASA AMARELA 100 ANOS
Casa Amarela - Soraia.jpg

Foto: Soraia Pierrot

Neste ano de 2021, a Casa Amarela da Vila Romana completa 100 anos de existência e resistência. As comemorações de aniversário tiveram início em 25 de janeiro e seguirão durante todo o ano. Acompanhe as curiosas histórias de seus fundadores e moradores pelas mídias: 

Facebook @Casaamareladavilaromana, Instagram @casaamarela_davilaromana ou pelo site.

25/01/2021

A Casa Amarela da Vila Romana completa 100 anos!

 

Hoje, 25 de janeiro de 2021, aniversário de 467 anos da Cidade de São Paulo, é o dia escolhido para o início das comemorações de 100 anos da Casa Amarela da Vila Romana.

 

"... Na vida do homem, a casa afasta contingências, multiplica seus conselhos de continuidade. Sem ela o homem seria um ser disperso. Ela mantém o homem através das tempestades do céu e das tempestades da vida. É corpo e é alma. É o primeiro mundo do ser humano".

Gaston Bachelard, A Poética do Espaço.

 

Durante o ano de 2021 haverá postes semanais sobre a história da Casa Amarela e de seus fundadores. Acompanhe!

DSC_0462 (2).JPG

05/02/2021

 

 

Casa Amarela da Vila Romana 100 anos!

 

A Casa Amarela da Vila Romana foi construída em 1921, pelo italiano Angelo de Bortoli. Angelo de Bortoli nasceu em 25 de maio de 1862 e faleceu em 25 de março de 1945.

 

Angelo, filho de camponeses ( Antonio de Bortoli e Regina Caveagna), nasceu em Padova, na Itália. Um jovem analfabeto, sem profissão e que após completar 18 anos resolveu aventurar-se em terras brasileiras. Ele não veio através do serviço de imigração, veio às suas custas, “alle sue spese”, como gostava de frisar.

 

Angelo pretendia “Fazer a América!

 

Fonte das informações: livro “Os Pioneiros”, edição autoral, de Fernando de Bortoli.

20210119_110340 (2).jpg
11/02/2021
20210216_162925.jpg

Angelo de Bortoli desembarcou no porto de Santos em 1880 e depois rumou para São Paulo. Seu primeiro trabalho foi como “doméstico” em uma casa de família, fazendo vários tipos de serviço. Posteriormente também trabalhou em um frigorífico até juntar dinheiro para comprar um “Tílburi”, carro de praça levado por cavalos, e tornar-se motorista. Fazia ponto no Largo de São Bento e orgulhava-se em contar que o Conselheiro Antônio Prado era seu freguês assíduo.

Em 1889, junto com seus irmãos (que chegaram ao Brasil posteriormente), comprou um grande terreno, totalmente tomado por imenso capinzal, na distante Vila Romana.

Fonte das informações: livro “Os Pioneiros” de Fernando de Bortoli - Edição Autoral

 

04/03/2021

Em comemoração ao mês da mulher, a história de hoje é sobre

Tereza Marson, esposa de Angelo de Bortoli.

No final do século XIX, Angelo de Bortoli, fundador da Casa Amarela, acolhe em seu sítio o imigrante italiano Liberal Marson e sua família, vindos de uma fazenda próxima de Itatiba, à procura de um lugar para instalarem-se. Depois de algum tempo, Teresa Marson, filha mais velha de Liberal, casa-se com Angelo de Bortoli. Teresa era uma mulher muito inteligente, lia, escrevia muito bem e exercia importante atuação nos negócios de Angelo.

12/03/2021

Em 1921, já casado e com filhos, Angelo de Bortoli constrói a Casa Amarela para ser alugada e abrigar imigrantes que chegavam ao Brasil. A casa ficava dentro do seu sítio e ocupava o local de um antigo estábulo, ainda não havia a demarcação das ruas.

Na foto: Tereza, Angelo e seus filhos.

Da esquerda para direita: João, Rosina, nona Tereza, Maria, filha mais velha, nono Angelo, Augusto e Miguel. Antonio (sentado), Maurílio no colo da nona e Priscina de mão dada com nono Angelo. Elisa e Fernando ainda não haviam nascido.

João veste roupa diferente, porque estava morando na casa da irmã da nona Tereza, pois brigava muito com seu irmão Augusto.

Depoimento de Sergio Durval de Pieri, neto de Angelo de Bortoli, em 04 de janeiro de 2017.

19/03/2021

O livro “Os Pioneiros - uma história de coragem e fé”, escrito em 1975, por Fernando de Bortoli, filho caçula de Angelo de Bortoli, é a principal fonte histórica sobre a família que desbravou a Vila Romana.

Gratidão tio Fernando!

Fernando de Bortoli nasceu em 22 de fevereiro de 1922, no mesmo mês das famosas apresentações da Semana de Arte Moderna, e curiosamente faleceu em 22 de fevereiro de 2002, ao completar 80 anos.

Fernando foi cantor de ópera, cantou na Rádio Record, e chegou a se apresentar junto com Hebe Camargo.

Fernando trabalhou no Teatro Municipal como copista de partituras de música; na Casa Manon, loja de instrumentos musicais e no Bazar Lapeano, na época, importante livraria e papelaria do bairro da Lapa. Também foi entalhador e deixou uma linda obra de entalhe na porta da Igreja da Casa Verde. Dentre os livros que escreveu, há um muito especial sobre a cantora lírica Bidu Sayão.

24/03/2021

A Casa Amarela, construída pelo italiano Angelo de Bortoli, em 1921, foi feita com a intenção de abrigar imigrantes que chegavam ao Brasil. A Casa Amarela era uma casa de aluguel.

Diferentemente do que ocorre hoje, em tempos de especulação imobiliária, o valor do aluguel era baixíssimo, pois o objetivo principal de Angelo não era lucrar, mas sim acolher.

QUEM MOROU NA CASA AMARELA?

Segundo depoimento de Sergio Durval de Pieri, neto de Angelo de Bortoli, Prima Josefina Vesco Toniolo morou na Casa Amarela provavelmente na década de 30.

Nessa época, o entorno da Casa Amarela era ocupado por vegetação e ainda não havia a demarcação das ruas, a casa ficava dentro do sítio de Angelo de Bortoli.

 

Foto:

Da esquerda para direita: Gigetto Toniolo, Prima Josefina Vesco Toniolo, Seconda Vesco Depieri, Angela Vesco e João. Mais abaixo, Rina Vesco.

Prima e Seconda eram irmãs gêmeas, nasceram em 1913, na Itália. A Prima nasceu primeiro, por isso o nome “Prima” que na língua italiana significa primeira e em seguida nasceu “Seconda” a segunda. Gigetto era marido de Prima e João marido de Angela. Prima, Seconda e Angela eram irmãs.

Rina Vesco era irmã de José Mário Vesco, conhecido como Bepim.

01/04/2021

PAULO LUIZ DEPIERI NASCEU NA CASA AMARELA!

Paulo Luiz Depieri, 84 anos, Contador, nasceu na Casa Amarela!

Em 18 de agosto de 2018, Paulo escreveu uma carta para a Casa Amarela relatando sua história:

“Com alegria e saudoso, transcrevo alguns momentos de minha vida na Casa Amarela.

Nasci na Casa Amarela em 01 de Fevereiro de 1937, sou filho de Guerino Depieri e Seconda Vesco Depieri. Moramos neste imóvel por 2 anos, depois meus pais compraram seu próprio imóvel, nas proximidades. Em visita recente à Casa, meu primo Sergio de Pieri, me relatou ser ele o primeiro primo a me visitar, indicando o local da casa, onde eu havia nascido.

Passados alguns anos, tenho em mente que brincava próximo a Casa Amarela, com carrinhos de rolimã, descendo a Rua Camilo até o final da mesma, próximo ao riacho Tiburtino. Em outras oportunidades brinquei por diversas vezes na lateral do imóvel onde tinha um trecho entre a Rua Sepetiba e o imóvel em terra, onde jogávamos bolinha de gude e rodávamos piões. No final do dia, íamos lavar as mãos no tanque de roupas da Casa”.

O pai de Paulo, Guerino Depieri, era irmão de Valentim de Pieri, casado com Maria de Bortoli de Pieri, filha mais velha de Angelo de Bortoli.

 

Foto1 - Paulo Depieri no local da Casa Amarela onde nasceu, ao lado de fotos quando ainda criança junto de seus pais.

Foto 2 - Paulo criança com seus pais Seconda e Guerino.

Foto 3 - Paulo e seu primo Sergio.

Foto 4 - Três gerações da família Depieri; Paulo, Sergio, Roseli, Roger, Janice, Elaine. Abaixo: Marina e Luísa.

Foto 5 e 6 - Carta à Casa Amarela.